1 de agosto de 2013

tatuar a vida na cara


Ilustração: Brian Cronin | 25 years and change


Com o passar dos anos, a nossa fisionomia muda. Mas não é só porque envelhecemos, é porque a fisionomia vai sendo moldada pelas histórias e experiências vividas, e pela gravidade da nossa personalidade. 

É como se a vida fosse, dia após dia, tatuada na nossa cara com linhas mais ou menos vincadas,  assim como o sol nos deixa sardas na pele, e as preocupações cabelos brancos.

Outro dia, ao subir o elevador, olhei-me ao espelho e deparei-me com umas tantas histórias na minha cara. Aos trinta anos, o rosto já não é uma folha em branco. 

Lembrei-me logo de uma senhora que conheço e do seu vinco profundo entre as sobrancelhas. Há algum tempo ela tenta se livrar daquelas histórias, mas não há medicina estética que redesenhe a vida ou laser que apague o que foi vivido. 

Para o bem e para o mal, não se pode viver impunemente.


Enviar um comentário